Revistes Catalanes amb Accés Obert (RACO)

Fronteiras de identidades: a escrita do eu em o Diário de Anne Frank

Denise Borille de Abreu

Resum


À luz de estudos da escrita de vida, o gênero do diário pode ser concebido como uma zona fronteiriça, cujos limites oscilam entre o eu privado e o eu público. Pode-se afirmar que os diários funcionam como locais transformadores, onde opera uma espécie de negociação entre a persona pública e os desejos privados de quem os escreve. Este artigo propõe analisar esse fenômeno, de maneira mais específica, na escrita do diário de Anne Frank, utilizando-se de suas três versões (a, b e c).

Text complet: HTML