Revistes Catalanes amb Accés Obert (RACO)

Os Portugueses e a Ásia Marítima, c. 1500 - c. 1640: contributo para uma leitura global da primeira expansão europeia no Oriente. 2ª Parte: o Estado Português da Índia

Francisco Roque de Oliveira

Resum


Por Estado Português da Índia entendemos a governadoria ou vice-reinado que, com as suas redes humanas, económicas, culturais e religiosas muito mais ao jeito da talassocracia fenícia que dos modelos territoriais dos impérios romano e espanhol, enquadrou a implantação do primeiro actor europeu nos Mares da Ásia. Nesta segunda parte do nosso artigo começaremos por caracterizar as respectivas áreas de ocupação e estruturas de funcionamento ao longo do período que decorre entre c. 1500 e c. 1600. Concluiremos com uma síntese dos ajustamentos ocasionados entre c. 1600 e c. 1640 pela partilha de interesses nesta zona quer entre as duas potências ibéricas entretanto aí estabelecidas, como entre estas e ingleses e holandeses, e entre todos elas e o comércio conduzido por algumas das principais comunidades mercantis locais. Os traços genéricos das redes comerciais em funcionamento nestas águas e o padrão, tantas vezes novo, ou em rápida mutação, de muitos dos seus Estados ribeirinhos, serão ainda alguns dos tópicos actualizados. Em qualquer caso, a nossa atenção estará aqui centrada nas áreas do Este e do Sueste asiáticos, porquanto foi nessas periferias que os holandeses — os protagonistas adiantados da segunda expansão europeia — começaram por desafiar as posições tomadas pelos seus predecessores, uma interferência de que as estruturas do Estado Português da Índia já se ressentem, de forma irrevogável, ao longo da década de 1640.

Text complet: Text complet